Tratamento do tumor no mediastino

6 de maio de 2019 0
Site-mediastino.jpg

A cirurgia é, normalmente, a forma eficaz de tratamento do tumor mediastinal, uma neoplasia (benigna ou câncer) que aparece no mediastino, a área da caixa torácica entre os pulmões, que contém o coração, o esôfago, a traquéia, o timo e a aorta torácica, além de possuir diversos nervos, vias linfáticas e vasos sanguíneos. A boa notícia é que o cirurgião torácico vem tendo acesso, nos últimos anos, a possibilidades tecnológicas que tornam este tipo de intervenção minimente invasiva, seja com o uso de equipamentos de vídeo de última geração ou, mais recentemente, com a robótica, que torna o procedimento mais preciso e contribui bastante para uma recuperação mais rápida do paciente.

Os principais tipos de tumores do mediastino são:

– timoma, um tumor maligno raro do timo, glândula do sistema linfático localizada na frente do coração e atrás do esterno. Pode apresentar dor no peito, dificuldade para respirar ou tosse. Geralmente são benignos, mas 30% rompem a cápsula e invadem outros tecidos.

– tumor germinativo, que ocorre em células embriologicamente imaturas e pode se formar em qualquer lugar do corpo, raramente fora dos órgãos sexuais. Podem ser benignos ou malignos. Apesar de raros, representam cerca de 60% dos tumores do mediastino anterior.

– linfoma, um câncer dos linfócitos (células de defesa), que podem ser linfoma de Hodgkin ou não-Hodgkin. Estão localizados na região posterior (atrás do coração).

– tumores neurogênicos mediastinais (gliomas), formados a partir de células nervosas, pode ser um neuroblastoma, um schwanoma, um neurofibroma, um ganglioneuroma ou um paraganglioma. Geralmente não são malignos em adultos e estão localizados na parte posterior do mediastino.

– linfadenopatia mediastinal, gânglios linfáticos agrandados, devem ser investigados pois podem ser metástase de um câncer proveniente da mama, pulmão, tireoide ou rim.

– cisto pericárdico, tumor benigno nas camadas que envolvem o coração.

– massa tireóidea mediastinal, formado a partir de tecido da tireoide. Geralmente é um tumor benigno. Pode ser uma complicação de um hipotireoidismo e tratado como um bócio intratorácico.

– traqueobroncopatia osteocondroplástica, que são múltiplos nódulos osteo-cartilaginosos na submucosa da traquéa e brônquios. Geralmente benignos, raramente invadem outros tecidos.

Esses tumores são achados em exames de imagem e cerca de 40% não causam sintomas, porém ao crescer podem comprimir os pulmões e o coração e causar dificuldade para respirar ou para engolir, dor no peito, tosse seca com ou sem sangue, febre, suor noturno e calafrio, perda de peso e cansaço, entre outros. Normalmente, o cirurgião faz primeiro uma biópsia e, se necessário, pode ser feita uma cirurgia para remover o resto do tumor. Caso seja maligno pode ser necessário fazer radioterapia e quimioterapia.



Nossa missão


Exercer com excelência a Cirurgia Torácica, com foco no paciente e tratamento humanizado.



Siga-nos


Acompanhe as novidades da Secitor e da Clínica do Suor nas redes sociais.



SECITOR e Clínica do Suor - Todos os Direitos Reservados 2019